terça-feira, 20 de janeiro de 2009

caminho das índias - o clone 2?


Muito se fala sobre a nova novela das nove oito da Rede Globo. Depois do grande sucesso d'A Favorita, muitos creem (não errei, aderi à mudança ortográfica) que a nova novela será uma imitação do sucesso de sete anos atrás. Após ver o primeiro capítulo de Caminho das Índias e refletir sobre o assunto, eu discordo veementemente, e acredito no sucesso da nova produção da globo.

As duas novelas, apesar de muito comparadas, apresentam apenas um grande ponto em comum: tratar de culturas orientais. Só isso. Ok, a escritora. Mas só.

A religião em destaque na novela O Clone era o Islã, uma religião monoteísta originária da Península Arábica no século VII. Também conhecido por religião muçulmana, é baseado nos ensinamentos de Maomé (Muhammad) e numa escritura sagrada, o Alcorão. Segundo essa creça, o Islã tem seu surgimento relacionado à criação do homem, tendo Adão como o rpimeiro profeta e Maomé, o último.

Já os personagens de Caminho das Índias são, em sua maioria, fiéis ao Hinduísmo. Essa é uma das mais antigas tradições religiosas de que se tem notícia, e não possui um criador. Acredita-se em um espírito supremo cósmico, e as suas formas de adoração são diversas, assim como suas representações individuais. No Hinduísmo, cada pessoa possui um espírito - atman -, uma força eterna e indestrutível. A trajetória desse espírito dependerá das ações do indivíduo, que terão, cada uma, suas reações, de acordo com a Lei do Carma. Moksha, a libertação final, é atingida após um ciclo de mortes e renascimentos, a Roda de Samsara, finalizado pela Iluminação. A teologia hinduísta se fundamenta no culto aos avatares (manifestações corporais) da divindade suprema, Brâman. Particular destaque é dado à Trimurti - uma trindade constituída por Brama (Brahma, Xiva - Shiva - e Vixnu - Vishnu. Tradicionalmente o culto direto aos membros da Trimurti é relativamente raro - em vez disso, costumam-se cultuar avatares mais específicos e mais próximos da realidade cultural e psicológica dos praticantes, como por exemplo Críxena - Krishna -, avatar de Vixnu e personagem central do Bagavadguitá.

A novela também levanta a problemática dos Sisteas de Casta - varna. Ele é dividido de acordo com o corpo de Brahma, como foi explicado no primeiro capítulo da novela. A boca - Brahmin - representa os sacerdotes, filósofos e professores, que trabalham com a mente; os braços - Kshatriya - são os militares e os governantes; o estômago - Vaishya - são os comerciantes e os agricultores; os pés - Shudra - são os artesãos, os operários e os camponeses. A "poeira sob os pés" não pertence às castas, mas tem um nome: são os Dalit ou párias, os chamados intocáveis, a quem Mahatma Gandhi deu o nome de Harijan, os "filhos de Deus". São constituídos por aqueles que violaram os códigos das castas a que inicialmente pertenciam a pos seus descendentes. São considerados impuros e, por isso, ninguém ousa tocar-lhes. Fazem os trabalhos considerados mais desprezíveis: recolha de lixo, coveiros, talhantes, etc.Também existem os Adivasis - povos tribais - e os Mechhas - estrangeiros -, fora do sistema de castas.

As demais divergências temáticas são consequências dos costumes dessas religiões, ambas extremamente atuantes sobre a cultura dos povos que a cultivam. Exemplo são as danças, as roupas e a também a liberdade dada à mulher.

Talvez outro esforço para se tornar única, a novela ainda aposta na Comunicação Cross-media, utilizando coo plataformas de distribuição do conteúdo a TV e (tambores!) um blog. Isso mesmo, você não leu errado, um blog, que trará os bastidores da prodição, servindo também como um canal de comunicação com os telespectadores. A tecnologia também tem espaço dentro da trama. Indra, um personagem indiano, utilizará um blog para registrar suas impressões do Brasil.

Caminho das Índias promete se sair bem, não só na tarefa de se diferenciar do Clone, mas também de trazer novas formas de captar audiência e fidelizá-la. Assista e aguarde os próximos capítulos!

6 comentários:

Jessie. disse...

é, não assisto novela ;P
mas gostei do post amiga, tem várias coisas bacanas
a cultura indiana é super interessante e diferente xD

Lott disse...

Nates de qualquer coisa eu tenho que falar que Maysa foi umas das coisas mais lidnas que eu assisti na minha vida!

Não perdi um segundo sequer... eu ri, chorei, odiei, amei, tudo, tudo com a Maysa. ela é foda demais!

Quandos air o dvd vou comprar!

E achei o tamanho da série perfeito. Se fosse maior, acho que caia a qualidade!

Já sobre a novela, ainda não tive paciencia de assistir não... achei a produção muito "pros côco" (acho que porque fiquei comparando com a produção de Maysa, impecável)


A favorita no inicio era otimo, ams achei que foi decaindo com o tempo.

Ainda não conseguirarm desbancar Paraiso tropical do meu topo de novelas favoritas.

e outra coisa: a pessoa diferente que serei (fazendo todos os fichamentos de 2009/1 ) não vai ter tempo de acompanhar novela.

Serei um Dalit da cultura pop! somando-se ao fato de que to pouco me lixando pro bbb tb.

hahaha

Beijo tilanga

Adlianny disse...

Adorei o post, muita cultura e diversos esclarecimentos...
Gostei também de vc aderindo às novas regras de ortografia(vou sofrer tanto pra me adaptar rsrss)
Espero mesmo que a novela seja um sucesso, tô vendo enquanto tenho tempo(as férias estão acabando) e aproveitando pra aprender um pouco mais da cultura indiana...
Valeu pelo post mais uma vez, beijo enorme de grande.

ps.: e será sempre um prazer suas visitas ao meu humilde espaço.

O Frango... ® disse...

meu comentário de "O clone 2" rendeu até um tópico =P

mas ela é bem diferente mesmo (agora que assisti a alguns capítulos), mas tem o dedo da glória peres, então vai ser mais uma coisa do mesmo estilo que ela sempre faz..

Fabio Santos disse...

Quase um clone viww...

muito legal seu blog

Francieli Severo disse...

É.. esse é o comentário que as pessoas em geral estão fazendo. Que quem assistiu "O clone" vai ter um flash back.
Eu adoro esse tipo de novela.. que apresenta ao público novas culturas.
Mas legal sua distinção e tb estou apostando minhas fichas que será boa. A única coisa que vai ser semelhante é a forma de expressão da escritora, que acredito não ter mudado seu estilo.

=D