domingo, 23 de novembro de 2008

o poder de uma agenda.

Caríssimos!

Venho aqui escrever-lhes sobre o maravilhoso poder de organização de uma agenda. Sim, de uma simples agenda. Algo que, em um primeiro momento, pode parecer algo inútil, trabalhoso, ou, até mesmo, chato, mas que torna-se cada vez mais necessário em meu dia-a-dia.

Agendas sempre foram objetos presentes em minha vida, mesmo quando não utilizadas. Sempre tem aquela passoa que te dá uma agenda, na esperança de que você a use. Comigo, não foi diferente. Tenho um sem número de agendas antigas, dos mais variados anos e temas. Escolas também contribuem para isso. Todo ano havia a emoção de receber a agenda, ver como ela era e, claro, como eram os adesivos.

No primeiro ano, sabe-se lá porque, resolvi usar a minha corretamente. Acho que foi culpa do número crescente de deveres e da minha preguiça de olhar todos os cadernos antes de fazê-los. Desde então, passei a anotar tudo: deveres, avaliações, aniversários, trabalhos e, também, coisas triviais, como temas que queria pesquisar e outros tipos de lembretes. Minhas agendas tornaram-se minhas companheiras fiéis, consultadas várias vezes ao dia. Esse hábito saudável se estendeu até o final do terceiro ano, em 2007. Desde as provas do vestibular, não tocava em uma agenda.

Então, no final de 2008, há quase um ano de asbtinência do uso de agendas, comecei a sofrer com sua falta. Aniversários esquecidos, deveres ignorados, trabalhos mal-planejados. E, é claro, a péssima mania de escrever na mão adquirida. Para completar, minha cabeça não andava lá muito boa e não ajudava a lembrar dos compromissos e deveres. Então, eis que uma reflexão após a perda (esquecimento!) de uma reunião fez com que eu enxergasse novamentea beleza e a necessidade desse belo objeto que, há tempos, eu renegava.

Mas o que fazer quando se precisa de uma agenda no final de um ano?Não seria muito sensato comprar algo para fazer uso de apenas 2/12 avos de seu conteúdo. Então, lembrei-me: a agenda dada pela amiga tempos e tempos atrás, sem restrições de ano. Outro ponto positivo: ela começa em setembro, o que minimiza seu desperdício.

Fui às nuvens com minha nova agenda. Ela é linda, colorida e feliz. E me deixa organizada. Desde que a ressucitei, uma semana atrás, não a largo, e somos muito felizes juntas, obrigada.

Um comentário:

Brunín...® disse...

Acho que eu li e comentei esse texto em outro lugar, mas é só um acho!! :D