terça-feira, 24 de março de 2009

Clodovil fará falta.

Bem, seguindo a minha linha de posts - a falta de uma linearidade evidente, além do meu gosto pessoal -, falo a vocês, hoje, sobre Clodovil Hernandes. Alguns poderão pensar "O quê? Aquele Clodovil? Aquele mesmo?" Sim, aquele mesmo.

Clodovil nasceu em uma cidadezinha de São Paulo, em 1937. Aos 16 anos, já iniciou a sua carreira de estilista: seguindo a sugestão de um colega, desenhou onze vestidos em um caderno e levou a uma loja paulista, onde a gerente comprou seis modelos. A partir de então, Clodovil foi ganhando reconhecimento em meio a personalidades, como Elis Regina e Cacilda Becker, e famílias tradicionais de São Paulo, como os Diniz e os Matarazzo. Essa evolução culminou, em 1960, com o primeiro Agulha de Ouro. Ousado, o estilista ganhou grande reconhecimento nos anos 60 e 70. Ele dividou com Dener Pamplona a cena da alta-costura nacional, ou, como alguns preferem dizer, moda de ateliê.

Com o sucesso, teve início sua carreira de apresentador de tv. Na década de 1990, "Clô" deixa a moda para se dedicar integralmente à televisão. Passou por diversas emissoras , como a Globo, a Manchete, a Gazeta e a RedeTV!. Por falar sempre o que pensava, acabou se envolvendo em várias polêmicas e confusões.

Em 2006, foi o terceiro deputado federal mais votado, eleito pelo estado de São Paulo. Assim, foi o primeiro homossexual assumido a ser eleito para o cargo. A carreira política não fez com que diminuíssem suas declarações polêmicas. No entanto, encaminhou propostas muito pertinentes à Mesa da Câmara, como a redução do número de deputados e a obrigatoriedade do exame de próstata em homens com mais de 40 anos.

Clodovil Hernandes sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) no dia 16 de março de 2009 e, no dia seguinte, foi detectada sua morte cerebral. Como disse Lino Villaventura, grande estilista brasileiro: “As opiniões brotam quando alguém diz ou faz alguma coisa polêmica. O Clodovil vai fazer muita falta, pois ele falava ao grande público o que pensava, apesar de muitas vezes não agradar a todos”.

[post escrito, inicialmente, para o SemPauta.com]

2 comentários:

O Frango... ® disse...

POrque quando veados morrem o céu fica mais feliz e a Terra menos purpurinada.

Não dá pra negar que o Clô foi um grande homem... vai fazer muita falta =/

Jessie. disse...

Tadinho do Clo! Ele era mara! Com certeza fará muita falta.

Ótimo post xuxu. =)